O mundo encantado das mamães e seus bebês!

Nutrição Personalizada

by Gisele


Pura verdade!

by Gisele


De Volta!!!

by Gisele

Obaaa!!!

O Blog Materno e Infantil está de volta!


Receita de Natal

by Gisele

Para realizar um Feliz Natal o blog maternoeinfantil buscou nas lembranças de muitos natais em família, pode se dizer que nas receitas da vovó, uma  saborosa receita de Natal. Anote tudo, em todas as etapas você poderá  incluir toda a família, inclusive as crianças…  Para esta receita você precisará de:

1 árvore de natal montada na sala ou em local onde se reúne a família;

1 enfeite de Natal para porta;

1 presépio à espera do menino Jesus;

1 ceia de natal;

1 par de sapatos na janela à espera do presente do papai noel ( ítem à gosto, coloque quantos pares de sapatos julgar necessário);

Retire da mistura tudo o que for de mágoa e rancor, e despreze.

Deixe apenas uma boa quantidade de amor, perdão e de esperança.

Depois de tudo pronto, acrescente uma ave maria e um pai nosso em sinal de agradecimento e fé.

Sirva tudo com abraços bem quentinhos!!!

Esta receita é rica em: Encontros, sorrisos, corações aliviados, talvez um pouco de lágrimas de emoção. Rica em alegria e fé. É uma receita revigorante e energizante. Uso sem moderação.

Feliz Natal!!!


Melhores amigas para sempre!!!

by Gisele

Sabe aquela etapa da vida das meninas em que elas não se desgrudam e fazem o verdadeiro clube da Luluzinha?

É uma etapa obrigatória na vida de todas nós. Mas agora esse sentimento próprio, particular, que costuma aparecer lá por volta dos 8 anos de idade tem um nome, ou melhor uma sigla. Se liga aí mamãe, você já ouviu falar em BFF? Assim como o s2, costuma aparecer nos posts das redes sociais e e-mails das meninas. Não se assuste achando que é algo proibido ou que ofereça algum perigo.

Se ainda não conhece, o blog maternoeinfantil explica pra que você fique antenada com a situação. BFF é uma sigla que vem do inglês “best friends forever”, no português quer dizer ” Melhores amigas para sempre”.

Nesta fase é comum o grude entre as amigas, a troca de confidências, de elogios… Tudo é super, é perfeito, é cheio de te amo e para sempre pra lá e pra cá… Meninos nesta mesma idade, costumam ser deixados de lado por não compartilharem do mesmo sentimento…

Que fase boa minha gente!!! Me lembrei agora das minhas BFF’s…


Delícias da vida…

by Gisele


Para o pequeno sambista…

by Gisele


Sambebe

by Gisele


Brincadeira de Criança

by Gisele

Elisa é a filha da minha amiga Mari. Tem 2 aninhos e é uma coisa, de linda, inteligente e claro, levadíssima.

Mas uma das brincadeiras que Elisa mais gosta é de brincar de Dra. Daniela (nome de sua médica pediatra).

Elisa pega uma folha de papel e uma caneta e inicia a consulta perguntando: “Dormiu direito?” E rabisca o papel como se estivesse anotando as respostas. Muito inteligente continua perguntando sem parar:  “Tá tudo bem?”, e vai misturando perguntas de acordo com sua imaginação: “Tá de sapato?”, “Seu sapato é novo?”, Você foi ao cinema?”. E segue ela rabiscando seu papel… Consulta a mãe, o pai e todos que quiserem entrar na brincadeira. Detalhe, se combina qualquer coisa, no final fala graciosamente, “Tá combinado?”

Ai gente, eu tô assim. Apaixonada por Elisa!!!!


“Criança não pensa”

by Gisele

Estou lendo pela segunda vez um livro que ganhei de presente e do qual gostei muito. É um livro da escritora Lya Luft – Perdas e Ganhos. Não saberia dizer aqui do que se trata este livro porque são muitos os aspectos nos quais ele me encanta e me identifica profundamente… 

Mas como o nosso universo aqui é o materno e infantil e o livro, entre outras coisas, fala desses vínculos que criamos ao longo da vida, separei um trecho para postar aqui no Blog. Espero que gostem!!!

” Muito escutei na infância:  Criança não pensa!

Criança pensa. mas faz também algo mais importante, que amadurecendo desaprendemos: Ela é. Contemplando uma mancha na parede, um inseto no capim ou a revelação de uma rosa, ela não está apenas olhando. Está sendo tudo isso em que se concentra. Ela é o besouro, a figura na parede, ela é a flor, o vento e o silêncio.

Da mesma forma ela é a frieza ou a angústia dos adultos, sua superficialidade e frieza ou seu amor verdadeiro.

E precisa que às vezes a deixem quieta, sem exigir que a toda hora se mexa, corra, fale, brinque, como se contemplação fosse doença.

A criança imersa em seu ambiente participa de um processo maior do que ela, no qual desabrocha com pouca consciência. Porém ela tem algo mais valioso do que a consciência: tem intuição de tudo, tem o saber inocente.”