O mundo encantado das mamães e seus bebês!

Nutrição Personalizada

by Gisele


Fase de transição Alimentar

by Gisele

A partir do sexto mês de vida, as  mamães  já podem introduzir novos alimentos à refeição dos bebês.

A recomendação é que esta indrodução seja lenta, gradual e variada. Sugerimos a inclusão das frutas, hortaliças e da carne no cardápio.

Lembrando que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês contribui para um bom hábito alimentar do pequeno e para prevenção á doenças como algumas alergias e intolerância a determinados nutrientes ou alimentos.


Como saber se seu filho está se alimentando bem?

by Gisele

É constante a aflição das mamães quanto à alimentação de seus filhos. Será que ele está se alimentando o suficiente? Será que estou fazendo corretamente? Ele não quer comer, será que está doente?

Pensando nisso, o blog maternoeinfantil vai dar dicas pras mamães atentas ao dia a dia da criança.

A primeira pergunta a ser respondida é: Seu filho está mantendo o crescimento adequado?

Acompanhar o crescimento da criança é o primeiro passo para saber se alimentação está correta. Se seu filho mantém a curva de crescimento ascendente, mesmo que abaixo do estimado como média para a idade, é sinal que está tudo bem. Se esta curva se estagnar ou tiver um decréscimo, sinal de alerta!!! Esta curva é acompanhada pelos pediatras nas consultas de rotina.

A segunda questão é: O peso da criança está adequado?

O peso também é um bom indicador, mas as mamães devem se atentar às perdas bruscas de peso, isso também é feito através do acompanhamento da curva de peso para idade e altura da criança.

Tanto para a estatura, quanto para o peso, são levados em conta alguns dados como o fator genético (pais de estatura baixa, obesidade na família, etc), períodos de estirão, que são os períodos em que a criança cresce mais que engorda, e se a criança esteve ou está doente.

Se a criança fica sempre doentinha também indica uma má alimentação. Pois crianças que se alimentam bem, tem menores chances de se adoentarem devido ao fortalecimento do sistema imunológico.

O Sono também poderá indicar uma boa ou má alimentação. Se a criança dorme bem, tem sonos regulares e acorda disposta é um bom sinal de alimentação adequada.

Outros fatores podem indicar alimentação equilibrada e eficaz, como o bom funcionamento do intestino, o nascimento de dentes saudáveis e fortes e o bom apetite.

Mas o que vale mesmo é a mamãe ficar atenta à todos os indicadores e não levar em conta apenas 1 ou outro. E não se esquecer das consultas periódicas ao pediatra.

 


O que levar para a maternidade?

by Gisele

Nesta hora é provável que a mamãe esteja bastante ansiosa e não consiga pensar no que levar pra maternidade. Por isso procure deixar uma malinha pronta e em local sabido pelo papai ou acompanhante escolhido, assim é só pegar na hora H.

Para a mamãe é necessário levar camisolas (3 unidades), calcinhas (3 unidades), cinta pós-parto (1 unidade), sutiã de amamentação (1 unidade) e os objetos de uso pessoal como escova de dentes, escova de cabelo, maquiagem, lembre-se que tudo será novidade para o bebê e objetos com cheiros e gostos fortes não devem ser adotados.

Para o bebê será necessário levar: Mantas ( 2 peças), cueiros (6 peças) roupinhas (6 mudas completas), fraldas (1 pacote tamanho P) e luvas descartáveis (3 pares).

Lembre-se de antes de separar e guardar as roupinhas, lavá-las com sabão neutro e passá-las.


O que a mamãe come pode prejudicar o bebê

by Gisele

Nutrir o bebê fora do útero pode ser bem menos complicado que dentro dele. Mas durante o aleitamento, é recorrente a aflição das mamães em relação ao que comer. Será que o que a mamãe come pode mesmo prejudicar o bebê?

A composição de lipídios, proteínas e carboidratos do leite materno não depende do que a mãe come. Apenas o nível de algumas vitaminas, como as A e B12, por exemplo, podem sofrer alterações decorrente da dieta da mãe.

Embora a qualidade do leite não esteja ligado à dieta materna, a quantidade está. As Nutrizes com deficiência calórico/protéica produzirão leite de boa qualidade, mas em menor quantidade. Para produzir leite em abundância, é preciso continuar com a complementação vitamínica da gestação (ou adequada à gestação e lactação), e seguir algumas orientações básicas.

Para garantir um leite seguro e sadio é importante:

Aumentar o aporte calórico – sendo esta uma regra flexível, pois as mamães que engordaram muito durante a gravidez, ou antes dela, poderão ter a oportunidade de perder estes quilos. Já que as reservas serão utilizadas na produção do leite.

Aumentar o aporte de cálcio em uma porção a mais por dia, até 5 porções.

Reduzir a ingestão de proteínas em uma porção por dia,  até chegar em 3 porções/dia.

Beber ao menos 8 copos de água ou líquido por dia (água, leite, caldos e sucos). Chás e cafés devem ser evitados ou restritos a uma xícara por dia. Acima de 6 xícaras podem deixar o bebê irrequieto.

Uma ampla variedade de substâncias, de medicamentos, condimentos, acidulantes, podem aparecer no leite, com resultados variáveis.

A mamãe pode evitar os alimentos que pareçam ter afetado o bebê.  Muito embora os estudos não comprovem que o que a mãe come provoca cólica no bebê, alimentos como o alho, a cebola, repolho e chocolate são comuns nas queixas maternas. Podem causar gases incômodos em alguns bebês, mas não em todos. Os lactentes com palato sensível podem mostrar desagrado a temperos fortes.

Dentre as muitas substâncias prejudiciais está o tabaco, presente no fumo, pois passam pela corrente sanguínea e chegam ao leite materno. O cuidado neste caso, inclui também o uso de drogas, álcool e fármacos. A mamãe só deve utilizar medicamentos orientada pelo médico.

Não usar laxantes para regular o intestino, alguns podem afetar o bebê.  Aumente o consumo de fibras na alimentação.

Evite o excesso de substância químicas presentes nos alimentos industrializados. Verifique no rótulo a presença destes. Dê preferência aos alimentos naturais como frutas e legumes, se for possível utilize os orgânicos. Evite de modo geral os alimentos preservados em nitritos e nitratos; salsichas, salame, carnes enlatadas, peixes e carnes defumadas. Evite alimentos com corantes, aromatizantes, conservantes e outros alimentos artificias.

Evite a sacarina (adoçante dietético), pois ela passa para o leite e alguns estudos demonstraram a ocorrência de câncer em animais submetidos a alimentos com esta substância. O aspartame, por outro lado parece só passar para o leite em pequenas quantidades e portanto seria seguro. Mas se houver necessidade, utilize adoçantes naturais como os de stévia e sucralose.


Exames e Mais Exames…

by Gisele

VoCê sabe pra que servem todos os exames solicitados no pré-natal?

São muitos, sendo os principais e mais comuns o hemograma, o de glicemia, o de urina e os que previnem doenças sexualmente transmissíveis como AIDS e Sífilis. Também são importantes os exames para rubéola e tétano. Esses exames detectam problemas que atingem inicialmente a mãe, mas podem provoccar problemas fetais.

Outros exames também muito recomendados e muito importantes para a saúde do bebê é o exame de translucência nucal e o morfológico fetal.

Se você não sabe pra que serve o exame solicitado, converse com o médico. É importante para a saúde da mamãe e do bebê que todos os exames sejam realizados.


Aleitamento Materno

by Gisele

Algumas mães se sentem inseguras ao alimentar o bebê exclusivamente pelo leite materno. O Blog maternoeinfantil separou algumas informações que podem ajudar você a se sentir mais segura.

O aleitamento materno é nutricionalmente superior, o leite materno é rico em nutrientes e fornece exatamente o que seu bebê precisa durante os 6 primeiros meses de vida, sem precisar de nenhum outro alimento.

É bacteriológicamente seguro, pois não há manipulação e consequentemente há menor risco de contaminação.

Fornece imunidade contra doenças, pois possui anticorpos impressindíveis para o bebê.

Previne a alergia alimentar, pois o bebê pode apresentar alergia a nutrientes ou particulas presentes em outros alimentos. O sistema gastrointestinal do bebê ainda não se desenvolveu o suficiente para se proteger destas partículas.

Garante o desenvolvimento dos maxilares. A sucção é muito importante para esta etapa do desenvolvimento e futuramente dos dentes e dos ossos.

O aleitamento materno promove o vínculo mãe/filho, por isso o quão precoce a mãe puder amamentar seu filho mais importante será para o desenvolvimento deste vínculo.

Além de benéfico para o bebê ainda há muitas vantagens para a mamãe, pois diminui a incidência de câncer de mama, promove o retorno ao corpo de antes da gestação e é importante para involução uterina.


Saúde Bucal

by Gisele

Conforme falado no post anterior o blog maternoeinfantil traz algumas dicas de saúde bucal durante a gestação.

O tratamento odontológico deve ser priorizado também durante a gestação. É super importante para as gestantes manter também a saúde de seus dentes e boca.

Como sabemos, o primeiro trimestre da gestação é o período de formação fetal e nesse período muitos tratamentos e medicamentos devem ser evitados, por isso a melhor fase para se procurar o dentista é durante o segundo trimestre da gestação.

Muitas mamães se preocupam com uso do anestésico local, mas durante o segundo trimestre, quando bem indicado pelo dentista não trazem problemas nem para a mãe nem para o bebê.

As radiografias também podem ser realizadas, desde que sejam tomadas algumas precauções, como o uso de avental de chumbo. E o dentista só indicará os procedimentos mais urgentes, deixando para depois da gestação os que não trouxerem maiores problemas para a mamãe.

Todo esse cuidado se justifica pois as mudanças hormonais próprias da gestação aumentam a suscetibilidade da mulher a cáries e outras doenças. E, como os hormônios também atuam no trânsito gastrointestinal e são comuns as queixas de enjôo e náuses, a higiene bucal pode ficar prejudicada.

A alimentação também terá grande influência na saúde bucal das gestantes, dê preferência a alimentos mais secos, duros, crus e coloridos. Uma alimentação mais sólida exige mais esforço mastigatório, favorecendo a articulação temporomandibular. Além de ajudar na saúde dos dentes, estes alimentos são ricos em fibras e favorecem o bom funcionamento intestinal. A mastigação mais forte também beneficia o periodonto, pois massageia a gengiva.

Evite alimentos ricos em açúcar pois além de estarem intimamente associados ao nível cariogênico, estão relacionados ao ganho de peso da gestante e ao desenvolvimento do diabetes gestacional.

Converse com seu dentista para tirar todas as dúvidas.


Outubro Rosa

by Gisele

As mamães antenadas com a saúde devem se ligar no Outubro Rosa.

Uma campanha Internacional, iniciada há mais de 10 anos e que tem como objetivo a prevenção do Câncer de Mama.

No Brasil existem várias ações em prol desta campanha. No Rio de Janeiro por exemplo acontece a iluminação em Rosa de um dos principais Pontos Turísticos da cidade, o Cristo Redentor. E em outros estados algumas sedes e órgãos do governo também recebem a cor rosa.

A prevenção do Câncer de Mama tornou possível a cura em 90% dos casos identificados em fase inicial. Por isso é tão importante ter acompanhamento médico e fazer os exames de rotina. Converse com seu médico e pergunte quais exames são mais apropriados pra você e sempre faça o autoexame.

O Blog maternoeinfantil dá uma dica:  mamãe que amamenta diminui suas chances de desenvolver esta doença.

Segundo artigo publicado pela Dra. Marina F. Rea no Jornal de Pediatria de novembro de 2004, numa “revisão de 47 estudos realizados em 30 países envolvendo cerca de 50 mil mulheres com câncer de mama e 97 mil controles, sugere que o aleitamento materno pode ser responsável por 2/3 da redução estimada no cancêr de mama. A Amamentação foi tanto mais protetora quanto mais prolongada: O risco relativo de ter câncer decresceu 4,3% a cada 12 meses de duração da amamentação, independentemente da origem das mulheres (países desenvolvidos versus não desenvolvidos), idade, etnia, presença ou não de menopausa e número de filhos. Estimou-se que a incidência de cânceres de mama nos países desenvolvidos seria reduzida a mais da metade (de 6,3 para 2,7%) se as mulheres amamentassem por mais tempo.

 


Bem vindos ao Blog maternoeinfantil!

by Gisele

Este blog foi pensado com muito carinho e amor, pois traz informações e emoções do mundo encantado das mamães e seus filhos. Queria poder contribuir com informações que ajudassem as mamães em seus momentos de insegurança e aflições. Como sou nutricionista minha vontade era contribuir para que as mamães ficassem tranquilas ao alimentar e lidar com situações do cotidiano de seus filhos, mas como não falar dos demais vínculos? Afinal esse mundo mágico é cheio de conexões. Então, aqui está um blog novinho passeando pelo mundo encantado materno e infantil. Bem vindos! Espero que gostem…